Há não muito tempo, havia apenas uma forma de aprender fotografar. E esse modo se chamava modo manual.

Agora, vamos imaginar os “calafrios” de cada clique de uma cobertura social, sem a possibilidade de ver o resultado na hora.

Para fotógrafos da era digital, isso pode parecer inimaginável. Mas era assim que as coisas funcionavam.

Com o avanço da tecnologia, o automático passa a dominar a preferência de muitos fotógrafos, especialmente os que são iniciantes.

Muita discussão sobre o assunto estão aos montes espalhadas pelas redes sociais.

Para alguns, pode parecer que quem domina a técnica é tratado como fotógrafo mais capaz e evoluído.

E então,  qual será a melhor opção ao fotografar?

Modo automático ou manual: qual é a melhor opção?

A correta interpretação da luz na cena e a compreensão da melhor parametrização da câmera é o que define a qualidade da imagem fotográfica.

Dessa forma, a decisão que o fotógrafo deve tomar é quem será o responsável pela escolha do conjunto “Abertura da lente (abertura do diafragma)”, “Velocidade do obturador” e “sensibilidade ISO”.

Ele mesmo (ao assumir o controle manual) ou a câmera fotográfica, com seus recursos automatizados?

Dependendo da condição de luz, ambiente e resultado desejado, não há nada de errado em adotar o modo automático, especialmente se as condições de iluminação estiverem favoráveis.

Existem alguns benefícios ao fotografar no automático. Como, por exemplo, mais liberdade para pensar na composição e enquadramento.

No entanto, em alguns momentos, somente o modo manual permitirá alcançar determinados resultados. As fotografias em contraluz é um desses cados em que a melhor opção será assumir o controle da câmera.

Além da parametrização da câmera, utilizar a lente com foco automático também se tornou uma necessidade. Mas em alguns casos, como na macro ou micro-fotografia, o foco manual é que garante o objeto adequadamente no foco.